Entenda o que é e qual a importância da barra estabilizadora

Para te ajudar a entender melhor sobre este assunto, decidimos criar um conteúdo que explica o que é a barra estabilizadora, quais são as suas funções e problemas mais comuns. Vamos explicar também como fazer a manutenção do equipamento e apresentar os prós e contras da retirada dessa peça. Boa leitura!

mecânico concertando carro

O sistema de suspensão de um carro é parte fundamental para garantir uma direção segura e eficiente. Ele é constituído, dentre outras partes, por uma peça chamada barra estabilizadora. Ela, como o próprio nome sugere, atua diretamente no controle da estabilidade dos veículos, oferecendo uma melhor dirigibilidade.

Cote, compare e economize no seguro

Receba grátis até 17 cotações e escolha o seguro que cabe no seu bolso.

Logo Reclame Aqui A Minuto é Bicampeã do Prêmio Reclame Aqui.


No entanto, hoje se tornou comum a prática de remover tal componente por parte de alguns motoristas. 

Mas, afinal, por que fazem isso, se ela traz mais estabilidade ao veículo? Em geral, há aqueles que defendem que a peça pode trazer alguns problemas. Então, qual a vantagem de mantê-la?

O que é a barra estabilizadora?

A barra estabilizadora é um equipamento fabricado em aço e localizado normalmente na carroceria ou chassi dos carros. Como dito anteriormente, trata-se de um dos componentes da suspensão, cujo objetivo é promover melhor estabilidade na condução dos veículos.

Ao contrário do que imaginam algumas pessoas, a suspensão veicular não se destina tão somente para suprimir as depressões e buracos nas pistas. 

Em resumo, a barra também pode fornecer uma melhor dinâmica, limitar a lateralidade de movimento dos veículos ou, ainda, fixar as rodas ao solo.

Para que serve?

Boa parte dos veículos atuais utiliza a barra estabilizadora dianteira. Porém, em alguns modelos ela é normalmente encontrada na suspensão traseira. 

Em termos simples, sua função, além de promover maior estabilidade, é de unificar ambas as partes da suspensão, por meio de um mecanismo independente.

Essencialmente, a peça serve como meio para impedir que os veículos tenham um deslocamento lateral em volta do seu próprio eixo

No entanto, a estabilizadora apenas “entra em ação” no momento em que a suspensão apresenta transições irregulares. Por exemplo, quando o veículo transpõe um quebra-molas ou está diante de uma curva.

Como funciona?

Ao atingir uma alta velocidade, mas especialmente nas curvas, o veículo tende a se jogar frontalmente, o que faz com que a suspensão traseira se sobrecarregue. Enquanto isso, a suspensão do lado de dentro da curva se torna mais instável, justamente porque neste caso o peso empregado é menor – o que leva a uma menor aderência dos pneus ao solo.

Portanto, tal desequilíbrio acaba agindo de maneira negativa sobre a dinâmica do veículo. Em geral, isso ocorre não apenas em função da perda de aderência com o solo, mas também em razão da diminuição da ação de frenagem.

Dessa forma, a barra estabilizadora acaba atuando de maneira a minimizar os riscos decorrentes da perda de frenagem e aderência, pois ela impede tais efeitos que são negativos para a dinâmica veicular, e que normalmente levariam os carros a derrapar nas curvas.

Como identificar problemas nessa peça?

Tendo em vista a importância deste componente, é fundamental considerar que, assim como ocorre com qualquer outro equipamento, a barra pode eventualmente apresentar defeitos. Logo, é necessário atentar-se para alguns cuidados com sua manutenção.

Um dos principais sinais de problema com a barra estabilizadora é o aumento no desgaste dos pneus. Via de regra, isso ocorre porque, quando está apresentando algum defeito, ela acaba impedindo a ação adequada do conjunto de suspensão e, consequentemente, levando a um desgaste rápido dos pneus.

Além disso, é possível detectar problemas no dispositivo, sobretudo quando este apresenta sons incomuns na suspensão. Por fim, quando a peça apresenta anomalias, ao girar o volante, ele também pode gerar barulhos pouco comuns.

Prós e contras de retirar a barra estabilizadora

Ao encontrar falhas na barra estabilizadora, é muito importante realizar os devidos reparos necessários. Esse tipo de manutenção pode ocorrer, principalmente, quando a peça ou seus componentes (buchas) estão desgastados ou encurvados.

Em alguns casos, porém, o motorista pode ter a opção de retirar o equipamento, especialmente quando este se torna uma desvantagem. Vale lembrar que, embora seja fundamental para a dinâmica do veículo, alguns malefícios são comuns, sobretudo em relação ao conforto.

Abaixo, confira todos os detalhes das vantagens e desvantagens da remoção deste tipo de equipamento.

Vantagens

Sendo a principal função da barra estabilizadora conferir maior estabilidade para os veículos, o risco de derrapagem é consideravelmente menor. Além disso, o equipamento é fundamental para que as rodas se fixem de maneira adequada ao solo.

Outro detalhe importante é que ela contribui para que o impacto das irregularidades do solo seja cada vez menor. Sendo assim, o dispositivo é também indispensável para uma melhor dirigibilidade na hora de fazer curvas.

Desvantagens

As desvantagens da barra estabilizadora, por sua vez, consistem basicamente na diminuição do conforto ao dirigir. 

O equipamento, embora contribua para uma maior estabilidade na direção, acaba reduzindo a eficiência das próprias suspensões do carro, uma vez que elas agem de maneira menos independente, aumentando os impactos produzidos por pistas irregulares.

Além disso, a peça também é formada por outras partes pequenas – que normalmente se desgastam mais rapidamente, como é o caso da bucha da barra estabilizadora

Nesse caso, o motorista acaba se vendo obrigado a levar o veículo para manutenções frequentes. Essas vistorias, por sua vez, podem gerar uma despesa mais alta, comprometendo o orçamento mensal.

Concluindo, apesar de ser desvantajosa em alguns casos, o uso da barra estabilizadora traz benefícios muito importantes para os motoristas, sobretudo no quesito segurança

Ademais, por se tratar de uma modificação bastante significativa, antes de realizar qualquer alteração estrutural, é imprescindível informar-se sobre a legalidade de tal procedimento.

Outro ponto importante é que retirar a estabilizadora pode descaracterizar o veículo. Sendo assim, lembre-se também de verificar o manual do proprietário a fim de conferir se é ou não recomendável realizar qualquer alteração. 

Por último, caso considere válida esta opção, conte sempre com o auxílio de um especialista.

Agora que você já sabe para que serve a barra estabilizadora, o que acha de cotar um seguro auto? A Minuto Seguros conta com a parceria de mais de 16 seguradoras, o que torna mais fácil encontrar a cobertura ideal para seu bolso e necessidade. 

Clique aqui e preencha nosso formulário ou, se preferir, ligue grátis para o número 0800 882 0656.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *