1. Home
  2. »
  3. Carro
  4. »
  5. Dicas

Como transportar bicicletas em carros? Veja as regras

Para os proprietários que são apaixonados por aventura, o carro é parte importante para poder vivenciar esses momentos. Seja para fazer trilhas para aproveitar a natureza ou mesmo uma simples viagem de bate e volta no fim semana. O mesmo vale para quem gosta de andar de bike. Pode ser em algum parque da sua cidade ou para aquele roteiro radical. Independentemente do seu intuito, para carregar sua magrela com segurança e dentro da lei, é preciso saber como transportar bicicletas. Portanto, continue lendo para saber mais. 

Um dos primeiros fatores que é preciso pensar antes de transportar bicicletas é a segurança. E para manter o veículo protegido, a primeira ação ao adquirir um automóvel é contratar um seguro auto.    

Com o seguro, você recebe indenização em caso de perda total ou parcial do automóvel. Além disso, fica protegido contra roubo ou furto e também recebe apoio da assistência 24 horas se houver necessidade, entre outros benefícios.

Por isso, faça uma cotação com a Minuto Seguros. Trabalhamos com  mais de 10 seguradoras, que estão entre as melhores do Brasil. Assim, garantimos uma proposta que esteja de acordo com as suas necessidades.

Para cotar, basta preencher o formulário clicando no botão abaixo. Se preferir, ligue grátis para 0800 773 3000 e fale diretamente com um consultor.

COTE SEGURO AUTO GRÁTIS

Como transportar bicicletas em segurança 

Suporte de teto

Uma das maneiras de transportar bicicletas de uma forma segura e dentro das leis é utilizando o suporte de teto. Esse tipo de dispositivo possui diversas vantagens em relação a outros. Como a bike é colocada sobre o teto do veículo, ela não tampa placas e não tira espaço interno do carro. Além disso, também não atrapalha a abertura do porta-malas, como acontece com o suporte traseiro.

Mas e os limites de altura do veículo? Colocar a magrela no teto pode ser passível de multa? A resposta é negativa. Apesar de existir um limite de 50 centímetros para transporte de objetos nessa parte do automóvel, a bicicleta é exceção. Segundo a resolução 349, que dispõe sobre o transporte de bicicletas, não há limite de altura nesse caso. Ou seja, sua única preocupação deverá ser tomar cuidado ao passar em locais com árvores baixas e afins. 

Suporte traseiro 

Ao transportar bicicletas em um suporte traseiro, o motorista precisa ter atenção redobrada. Tanto no que diz respeito aos cuidados para não danificar o veículo e a bicicleta quanto com relação às regras para utilizar este tipo de acessório. Mas, apesar de exigir maiores cuidados, ele também possui as suas vantagens. 

Em primeiro lugar, o suporte traseiro costuma ter valor mais baixo que os demais e facilita o transporte da magrela. Diferentemente do suporte de teto, o motorista não precisa ter o esforço de erguer tanto a sua bike. Além disso, não há necessidade de desmontá-la para carregá-la no veículo. 

Por outro lado, a sua instalação requer muitos cuidados. O suporte deve ser instalado entre a lataria e o para-lama e precisa ficar a uma altura que não permita que a bicicleta arraste no chão enquanto o carro roda. O uso desse dispositivo também costuma tampar a placa traseira, o que torna necessário instalar outra placa em local visível. Dessa forma, ela precisa ser colocada no lado direito da traseira, carroceria ou para-choque.

Suporte de engate 

Outra possibilidade de transportar bicicletas é utilizar o suporte de engate de reboque. Mas, é outro acessório que exige muita atenção do motorista.

Foto: Henrique Andrade / PraQuemPedala

Ele é mais vantajoso que o suporte traseiro em alguns quesitos. É mais alto, o que faz com que a altura em relação não seja problema, por exemplo. Também deixa a bicicleta mais afastada da lataria, diminuindo o risco de danificar o carro em caso de colisão. Em contrapartida, ele também impede a abertura do porta-malas e se sobrepõe à placa e luzes do automóvel. 

Outro ponto a se atentar é que não são todos os veículos que podem utilizar engate. Dessa forma, somente carros que possuam autorização do Denatran (Departamento Nacional de Trânsito) estão liberados para utilizar esse suporte, que também exige colocação de uma nova placa. 

Até dentro do automóvel é possível transportar bicicletas

Para quem não quer se preocupar em colocar nova placa ou tem receio de deixar o veículo muito alto, uma opção para transportar bicicletas é dentro do próprio carro. Mas, embora tenha essas vantagens que citamos, também há complicadores.

Quem desejar levar a bike dentro do automóvel, precisa estar preparado para desmontá-la e montá-la novamente depois. Caso o motorista vá levar família e/ou amigos no carro, essa maneira torna-se complicada ou inviável. Afinal, a bicicleta ocupa uma boa parte do espaço no banco traseiro ou do porta-malas. Além disso, é preciso lembrar-se de prendê-la corretamente, pois, se ficar solta, pode causar acidentes. 

Caçamba da picape

Este modo de transportar bicicletas fica restrito a quem possui ou aluga uma picape. Mas, trata-se de uma excelente alternativa para carregar a magrela. Por se tratar de uma carga indivisível, é permitido que a bike seja transportada mesmo que fique com uma parte para fora da caçamba. Porém, também existe uma regulamentação para isto.

Foto: The Little

É possível levar a bicicleta com a tampa aberta e uma parte de seu corpo para fora desde que seja respeitado o comprimento do balanço. Isto é, a medida que vai do centro da roda até onde termina a carga. Esta distância deve ter no máximo até 60% do espaço entre os eixos do automóvel. 

Além disso, é preciso deixar a parte da bicicleta que ficou para fora bem sinalizada. Se o transporte for feito durante a noite, o motorista precisa utilizar luz vermelha e um dispositivo que reflita essa luz. 

Regras para transportar bicicletas

Como já mencionamos acima, existem algumas regras para transportar bicicletas em veículos. Para isso, existe a Resolução 349/2010 no CTB. Uma das regulamentações sinalizadas dispõe sobre o uso de suportes traseiros. Conforme consta na resolução, é necessário colocar uma outra placa no veículo, além de uma régua de sinalização. Esta, por sua vez, deve ter pelo menos um metro de largura e, no máximo, o tamanho do automóvel sem levar os retrovisores em conta. Isso é necessário em todos os casos que as luzes de sinalização e a placa estiverem cobertas, mesmo parcialmente. 

Caso a régua de sinalização não seja utilizada no uso do suporte traseiro, o proprietário cometerá infração gravíssima. Isso acarretará em multa de R$ 293,47, além de 7 pontos na carteira de habilitação. Além disso, o veículo também pode ser removido pelas autoridades competentes. 

Assim como mencionamos anteriormente, também é proibido rodar arrastando a bicicleta no chão. Afinal, trata-se também de uma infração gravíssima, de acordo com o artigo 231 do CTB. Aliás, o mesmo artigo enquadra como infração grave transportar cargas que sejam maiores do que os limites estabelecidos por meio de sinalização ou lei. Neste caso, se a bike ultrapassar o tamanho adequado, o motorista pode receber multa de R$ 195,23. Ao mesmo tempo, é possível que o carro seja retido para ser regularizado. 

2.83 / 12 votos

Comentários

  1. Não menciona o problema do excesso lateral quando transportada na traseira do carro (suportes de engate, etc.). Quando fala “no máximo o tamanho do automóvel” está se referindo à régua traseira e não à bicicleta ou ao suporte.
    Esta é uma das grandes polêmicas envolvendo o transporte de bicicleta.

    1. Ricardo! Muito obrigado pelo lembrete. Toda dica é válida e iremos pesquisa mais para complementar a informação sobre o assunto.

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sair da versão mobile