Home » Carro » Dicas

Reparo de para-brisa: afinal, vale mesmo a pena?

Quando você é proprietário de um automóvel, sabe que algumas avarias ao longo da sua utilização fazem parte do processo. Até por isso, para evitar maiores problemas no futuro, é necessário realizar a manutenção preventiva, por exemplo. De qualquer forma, nem todos os prejuízos são evitáveis, pois imprevistos podem acontecer, como uma pedra da estrada que cause estrago no vidro dianteiro. Neste momento, você se questiona: vale a pena fazer o reparo de para-brisa? É sobre este assunto que falaremos ao longo do texto.

Justamente por essa imprevisibilidade no trânsito que contratar um seguro auto é tão importante. Por mais que você seja um motorista prudente, certos acontecimentos fogem ao seu alcance. Ser vítima de uma colisão, ter seu carro roubado ou furtado são eventos inesperados, e contar com uma proteção que lhe dê todo o apoio necessário quando esse tipo de sinistro ocorrer é essencial.

Com o seguro auto contratado, você pode contar tanto com o auxílio que a assistência 24 horas presta, bem como carro reserva, para poder realizar seus afazeres sem problemas, além de outras vantagens, dependendo das coberturas contratadas no momento da negociação.

Por isso, faça sua cotação com a Minuto Seguros, a maior corretora de seguro auto do Brasil e líder no segmento online. Para garantir uma proposta que seja adequada ao seu perfil e esteja de acordo com as suas necessidades, trabalhamos com mais de 10 seguradoras, que estão entre as principais do país.

Para cotar, basta preencher o formulário clicando no botão abaixo. Se preferir, ligue gratuitamente para 0800 773 3000 e fale com um de nossos consultores.  

Reparo de para-brisa

reparo de para-brisa

Como vidro que está à frente do carro, as chances do para-brisa sofrer com rachaduras é considerável. Afinal, ao pegar uma estrada de terra, por exemplo, é possível que ele receba o impacto de pedregulhos. Durante uma chuva de granizos, as pedras de gelo também podem causar estragos dependendo do tamanho e intensidade.

Independentemente da situação que cause avarias no vidro, você logo pensa no prejuízo que pode ter se tiver que realizar a troca. A boa notícia é que de acordo com o tipo de trinca que foi feita, é possível realizar um reparo de para-brisa.

Quando o reparo pode ser feito?

Apesar de ser uma boa alternativa, não é sempre que um reparo de para-brisa pode ser feito. Um dos fatores que condiciona essa possibilidade é o tamanho da rachadura. Para que o conserto possa ser realizado, ela deve ter, no máximo, 10 cm de comprimento e 4 cm de diâmetro, caso seja circular. Se a trinca for maior do que os tamanhos citados, o profissional não tem como garantir de forma segura que o vidro fique com as condições ideais.

Além dos tamanhos de rachadura serem determinantes para a definição de haver reparo ou não, é importante citar que, dos vidros que fazem parte do carro, apenas o para-brisa pode ser restaurado. Os laterais e o traseiro não são passíveis de conserto por serem temperados. Dessa forma, eles podem estilhaçar quando recebem impactos fortes. Ou seja, somente a troca soluciona o problema.

Como é realizado o reparo de para-brisa?

reparo de para-brisa

Em primeiro lugar, para que o reparo de para-brisa seja bem sucedido, é importante que você coloque uma fita adesiva sobre a rachadura, pois se acumular sujeira ou entrar água no local, o serviço será dificultado. Também é essencial levar o seu veículo para os profissionais especializados o quanto antes, pois se as trincas aumentarem, o conserto pode ser inviabilizado.

Uma vez que o carro está com os profissionais, o reparo tem início com a limpeza na região da rachadura. Na sequência, é aplicada uma resina no local danificado, que vai preencher e causar um efeito semelhante ao da cicatrização. Para isso, é necessário aguardar que esse material aplicado seque com o auxílio de uma luz ultravioleta. Todo o processo de restauração leva de 40 minutos a 1h30.

Vantagens do reparo de para-brisa  

Caso o seu para-brisa sofra danos que sejam passíveis de restauração, conforme citado acima, o reparo leva vantagem sobre a troca do vidro em diversos quesitos.

Um dos benefícios está no preço. Enquanto o reparo de para-brisa pode custar entre R$ 50 e R$ 250, dependendo do modelo do veículo, um vidro novo chega a ser quatro vezes mais caro. Além disso, o seguro pode cobrir os custos deste tipo de conserto se esta cobertura constar na sua apólice. Por sinal, é importante contratar a cobertura de danos a vidros, de modo que a proteção seja garantida.

Além de ser mais barato, o reparo também é mais rápido, já que o tempo médio é de 40 minutos a 1h30, enquanto a troca do para-brisa pode durar cerca de 4 horas. É bom lembrar também que a restauração mantém o vidro original e suas características, o que é outra vantagem de realizar este tipo de serviço.

Outro ponto que conta a favor do reparo é a preservação do meio ambiente. Isso porque se você realizar a troca, o pára-brisa danificado é descartado, o que gera resíduos que podem se acumular e prejudicar a natureza.

Para-brisa quebrado pode render multa?

Sim! Além do risco a sua segurança e a de outros ocupantes do carro que andar com o vidro dianteiro nessas condições pode representar, as multas são mais um problema que tornam o reparo de para-brisa tão importante.

A Resolução 216/2006 do Código Nacional de Trânsito (Contran) determina que as rachaduras no para-brisa não podem ter mais de 10 cm de comprimento e 4 cm de diâmetro. Além disso, as fissuras não podem estar de forma alguma em uma região do vidro que possa atrapalhar a visualização do motorista.

Caso você seja flagrado com o para-brisa do seu automóvel em alguma das condições descritas acima, pode levar uma multa grave. Como sanção, são 5 pontos aplicados na carteira de habilitação, além do pagamento de R$ 195,23 e a apreensão do veículo até que o problema seja solucionado.

Ficou com alguma dúvida sobre o reparo de para-brisa e todas as questões envolvidas no assunto? Mande pra gente nos comentários!

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *